Monique Prada – (51) 9944-3822

Acompanhante de alto nível para encontros discretos em Porto Alegre – RS

Sutileza..

.. me agrada a sensualidade menos óbvia, implícita… mais insinuar do que mostrar..

Obscenidades

” Um arrepio espinha abaixo, um susto, um espanto. Sou completamente paralisado pelo que vejo, apenas meu pau duro lateja e minha imaginação dispara tomada pela volúpia e a luxuria das imagens.
Que mulher é essa que se apresenta como a Grande Puta, a seguidora da perversa Messalina, leitora de Anais Nin? Quem tem uma imaginação erótica tão refinada a ponto de transformar um colar de pérolas no mais obsceno objeto. Meus olhos acompanham o adorno sobre pele morena, resvalando devagar, talvez provocando uma doce carícia. Ele desce atrevido e se aninha sobre a buceta suculenta e certamente gulosa.
A mão de unhas esmaltadas num vermelho diabólico toca a fruta madura. Talvez ela já tenha introduzido aquele colar em seus orifícios, para que depois um feliz vassalo vá puxando-o lentamente enquanto geme e se contorce de prazer.
A mais escancarada Putaria, temperada pela elegância, pelo apelo erótico e o requinte de uma Cortesã à antiga, daquelas que os aristocratas esperavam de quatro para que lhes montasse em cima. Não vou falar do teu corpo, que merece ser adorado de joelhos. Você sabe muito bem o quanto é gostosa e o poder que exerce sobre os homens. Pois eu sou mais uma feliz vítima deste fascínio. Fazem duas noites que sento à frente do computador e te homenageio com longas punhetas, analisando cada detalhe do teu universo fetichista: meias, sapatos, anéis, pulseiras (faltou o brinco de argolas), botas e calcinhas, minha peça favorita. Você não imagina como fico excitado diante de uma bunda apoteótica como a tua, irresistivelmente decorada por uma calcinha toda delicada, com suas rendas, transparências, bordados e babados.” (C.)

Brincando de Sub ..

Texto: Monique Prada

“A” é um de meus ‘patrocinadores’ mais antigos.
Saímos juntos já há alguns anos, com alguma frequência, e sempre que acontece a química é intensa.
Nos conhecemos quase que ‘acidentalmente’, dos tempos em que eu apenas intermediava estes deliciosos encontros  -  um dia, amanheci mais taradinha que nunca, ele me convidou e eu cedi.
Desde aí, entre um relacionamento e outro, entre um personagem e outro, voltamos a nos encontrar, e confesso que, com raras exceções, cada encontro parece sempre melhor que o anterior. Um dia, vou dedicar algum tempo a falar de nossas pequenas loucuras.

No entanto, como sabemos bem, a rotina é veneno em qualquer tipo de relação. De tempos em tempos experimentamos coisas novas, algumas amigas e fantasias interessantes ..

Dessa vez, “A” me pede algo diferente. Mais forte, talvez… ou apenas diferente mesmo. “A” quer encarnar um pouquinho o “Dominador” … quer me ver submissa, tem dúvidas sobre o que sentiria me vendo tão disponível e entregue… curiosidade … junto com a mestra, Domme, combinamos o encontro..

O que posso dizer? A brincadeira me excita e atrai, a confiança em ambos me ajuda a relaxar e lá vamos nós. Para uma primeira vez, até que fomos bem.. o quentinho gostoso da cera quente escorrendo pelas coxas, a venda (e sem saber qual dos estava me tocando, me lambendo.. delícia …), algemas, e surpresas.. Ambos bastante cuidadosos, com receio de me machucar de verdade..

E a frustração pelo vibrador e a câmera fotográfica sem pilhas rsrs.. que amadorismo !!!

..about last night..

Texto: Monique Prada

.. pouquinho depois das 21h .. me liga Domme (para o telefone “secreto” – o ‘comercial’já desligado, àquela hora..) – bom… “Preciso que me encontres em meia hora no Botafogo,
podes? “  Pedidos de Domme, quase uma ordem.. me arrumo, com alguma pressa, já me preparando para alguma deliciosa sessão bdsm (e lá vai a ajudante da Capri, a switcher mais baunilha do mundo rs – Monique).
Chego um pouco antes do casal, estaciono em frente ao motel e espero o sinal para entrar.. os sigo, estaciono na vaga dupla do apartamento.. estranho, não vejo a maletinha de maldades de Domme.. ela me apresenta o amigo. Um fã da ‘cultuada Monique’ – palavras dele. Um dia depois do aniversário, o menino resolve comemorar mas não me avisa com a devida antecedência, acaba por não conseguir contato – e não se aperta: como esperto seguidor de alguns dos melhores blogs eróticos da cidade, rapidamente se dá conta que, à época, o caminho mais curto para me achar é Domme..
Findas as apresentações, cdzinho que levei a tocar, partimos para uma deliciosa sessão de.. puro sexo, o mais puro e intenso sexo baunilha. Nada de velas, algemas, cordas, vendas … o imobilizamos, mas com o atrevimento de nossas carícias.. nenhum castigo foi imposto a ele, a não ser o de nos satisfazer, tão plenamente quanto possível, dentro daquele período.
O largamos revigorado, depois ainda de uma relaxante massagem. Ele é fã, acompanha o blog, ele merece…

Merece também o videozinho que prometi postar.. nada como boa música, para eternizar na memória nossos bons momentos …

O dom de iludir – Relato de encontro

Uma coisa q sempre me intrigou em GPs foi a falta de disposição. Sempre me incomodou o ato mecânico, cheio de faz de conta. UM SACO (ainda q se possa enteder o porquê, lógico)!
Aliás, devo ter sido o único TD neutro da xxx . Bonitinha, mas de uma fazeção sem tamanho… Com Bella, pelo conhecimento da causa, rolou diferente e na medida: intensidade e tesão. Pouca coisa mais é necessário para que uma transa seja boa: pra mim, de nada adianta muita juventude, muita “lolitice”, peitinho pra cima, bundinha arrebitada. Tem que ter punch. Se não tiver pegada, não tem graça!!!
Sendo objetivo, já q lugar de ‘literatura’ é outro, da bundinha não preciso falar: nas fotos se vê tudo! Lisinha e depilada, uma delicia. E melhor: gosta bastante! Atola profundamente, no máximo revirando os olhinhos, ao que parece de prazer! A boca, tbém se vê nas fotos: e, melhor, atacando o ‘rapaz’, é praticamente incontável! Punch e pegada! Tempo e disposição! Ok, os peitinhos não são de uma lolita há pouco púbere e recém ingressa na feevale ou na ulbra, mas troco todas as ninfetas durinhas e tdos os silicones mal colocados por uma transa que pareça de verdade. Disse “pareça de verdade” porque sempre só “parece de verdade”. Já diria um certo compositor baiano que o importante é o dom de iludir! Se me iludirem sempre assim, pago feliz e durmo tranquilo!!!
ps.: está na academia, puxando ferro… se cuidar é tudo.

 

Relato por Zosso, postado originalmente em GpGuia.net

Entre foder e fazer amor

Por: Monique Prada

Somos todos necessariamente substituíveis.
Sério… Os corpos são todos parecidos.. bundas maiores, menores, diferindo na cor, formato, rigidez de formas, cavidades mais ou menos apertadinhas, etc.. mas no fim das contas, dá tudo no mesmo. O instinto nos leva a procurar, nos leva ao tesão, nos leva a meter. Bendito instinto, que garante a preservação da espécie humana rs. Independente de eventualmente nos ferirmos nessa nossa busca insana por mais e mais prazer, o lance é que meter (e ser metida rs) é muito bom. Tem dias que qualquer fodinha nos serve, e foda-se o resto !
Sexo pode também ser a mesma e entediante brincadeira para alguns. O certo é que o repetir entedia. Procura-se variar, e mesmo quando se tem do melhor e mais caro por perto , a tentação de um buraquinho novo, nesse momento até o delicioso e disponível rabão da funkeira mais vulgar pode parecer mais digno de se explorar do que o da cortesã perfumada e sofisticada – quando se a tem plenamente disponível.

Vulgarmente falando, arriscamos quaquer coisa por uma metida nova. Todos nós. Somos todos substituíveis e substituímos, a todo o tempo. O prazer do bifão com ovo nos parece impossível de resistir quando temos à mão, dia após dia, apenas um único prato sofisticado. Sim, sofisticado, delicioso, aprovado e recomendado por muitos, mas sempre o mesmo.
E eu entendo plenamente essa necessidade.
Eu mesma há tempos ando enjoadinha. Hoje, decidi liberar a vagabunda.

Confesso: fodi até que tudo em mim ardesse rs.
Hoje, fiz amor comigo mesma. Fiz amor, muito amor, fodi intensamente com a única pessoa a quem só meu rabo satisfaz: amei a mim mesma, amei ao dia, amei à vida, como nunca.
O dia começou mal, perdi a hora, perdi a cabeça… Felizmente, ele ainda me esperava, depois de meses de conversa e horas de atraso.
Me pegou no meu pior dia, pior astral. Ao mesmo tempo, no dia em que eu mais precisava tê-lo por perto. Implorei que me esperasse, eu precisava de colo.
Corri pro banho, peguei qualquer vestido..levei algumas coisas .. um espumante perdido na geladeira.. óleos, espuma de banho, esfoliantes..
e me fui, aos tropeços rs.
Decidi que ele seria o único do dia, decidi me entregar como há tempos não fazia. Eu queria ver a dama devassa que sou gozando até que lhe doessem as entranhas. E mais, e mais.. e suor, e sêmen, e entrega, e delícias.
E espelhos, e meu corpo, nada perfeito mas tão meu, tão disponível, tão absolutamente sensual, beirando a vulgaridade.. Sequer lembramos do espumante, em meio a tantos líquidos mais interessantes.
Exibicionista que sou, perto do primeiro gozo, telefonei… precisava que alguém mais testemunhasse o prazer intenso que se aproximava.. infelizmente, este meu amigo desligou, saber do meu prazer talvez o desagrade.. enfim…
Então… hoje eu fiz amor, sim. Fiz amor com a única pessoa pra quem eu sou realmente insubstituível: fiz amor comigo mesma. Estou deliciosamente renovada, insuportavelmente feliz.
Recomendo, e repetirei .

 

 

Contact Us